Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

"DIVAGÂNCIAS MINHAS" | Frassino Machado

"DIVAGÂNCIAS MINHAS"
Não há dia que passe que eu não ande por aí Divagando de rua em rua, de vida em vida, Em busca das palavras qu´ inda não descobri  Para que a minha poesia fique enriquecida…
São elas, hora a hora, a minha companhia São elas, todas elas, os meus instrumentos Ao ritmo de arpejos e de justa harmonia Saída desta lira e dos árduos talentos. 
Meus talentos são laivos de minhas emoções, Sempre humildes e sempre ao leme dos sentidos, Às vezes sonhadores rodeados de ilusões, Ou quixotescos – trilhos loucos pervertidos… 
De rua em rua, de vida em vida, longe ou perto Procuro em cada rosto, feito riso ou grito, Um horizonte, um oásis, ou um deserto Qualquer razão de ser para um poema escrito.
Sentindo o grande Lorde, como timoneiro À sombra da bandeira de um fiel combate, Quero, como ele o fez, tornar-me mensageiro Partilhando a sua lira de engenho e arte.
Na rua por onde vou há muitas armadilhas, E ali nem sempre há luz, nem sempre claridade, E há cirandeiros pro…
Mensagens recentes

"A LUZ DE TEU OLHAR" | Ró Mar

"A LUZ DE TEU OLHAR"
A luz de teu olhar, deixa-me perplexa numa mesura infinita, em que me deleito e descanso, num silêncio profundo. À margem das tuas reais pestanas leio a suavidade do dia, e assim surge a emblemática paisagem pela minha alma, repleta de vida. Vida que espreguiço pelo teu olhar, a madressilva, e levo comigo a melhor das poesias para cantar pelos beirais de outros dias.
Minha amada, amante, paixão que me seduz e embala pelo solstício de um amor de cor una a todas as eras.
À noite o dia transborda, pela tua quimera, e meu corpo sente a alquimia que abraça o universo e dá espaço para muitos outros versos, onde a humanidade é senhora de coração azul, tal e qual a luz que tu irradias, e a vida é céu aberto, tal as tuas nobres 'meninas'. 
Cantarei, cantarei a tua mocidade aos quatro cantos do mundo e jamais me cansarei! 
Se te perder de vista sei que vou conseguir continuar o caminho, pois, é tão intenso o meu desejo que não há nada que o faça desfalece…

“A CASINHA NO MONTE” | Alfredo Costa Pereira

Pintura de Carlos Ramos
“A CASINHA NO MONTE”
Aquela casinha branca além, encostada às outras na aldeia da serrania, na solidão do monte, está risonha a branquejar, e ainda guarda na luz do dia, um rasto amarelo de luar! E soprada pelo vento, escreve canções plenas de harmonia!
As lindas e pequenas flores bravias que se abrem entre a penedia e os mansos animais que devagar, com melancolia por ali vão passar, dão-me vontade de ter um cavalete, telas, pincéis e tintas, para poder pintar aqueles diferentes cenários de encanto, de amor e de alegria.
Na limpidez do azul, e da fresca e subtil aragem, bafeja brandamente a imagem daquela casinha branca envolta no silêncio da calma, com janelas viradas a Sul.
Escuta amor, a mensagem do vento a passar, e repara como as rochas debruçadas pelos montes nos estão a mirar!
Entenderam a brisa, estão contentes por irmos para aquela casinha branca namorar, vendo o rasto amarelo do luar!

© Alfredo Costa Pereira
https://www.facebook.com/alfredocostapereira

“A NATUREZA SEM CORTINA” | Alfredo Costa Pereira

Aguarela de Amoacy
“A NATUREZA SEM CORTINA”
Na areia da paria, ao nascer do sol quantas vezes ali fiquei,  Reflectindo em tudo aquilo que na minha vida gostei e amei!...
O encanto das manhãs sempre foi o meu prelúdio,  Porque do impacto da aurora nunca temi o seu repúdio…
Conheço a cor do vento que ali sopra que gemendo põe as ondas a dançar…  E com um sorriso nos lábios e promessas nos olhos ali fico a adorar o mar…
A saborear o brilho das gotas do orvalho matinal  E do som dos búzios no marulhar do mar musical… 
E sem aviso um raio de sol rompeu a neblina,  Acendendo um clarão levantando a cortina  Onde a Natureza se escondia, ficando envergonhada!  Estava a amar na sua intimidade ficando agora iluminada!
E vi as rochas morenas vestidas de verdes algas com picos bicudos A esperar as ondas que as abraçavam com seus braços carnudos!...
Vi as ondas bravias a beijar as praias adornadas com algas brilhantes  Como sereias de braços abertos a clamarem pelos seus gigantes!...
E também vi be…

"SER OU NÃO SER LITERATO" | Frassino Machado

"SER OU NÃO SER LITERATO" 
Ser ou não ser um literato Eis mesmo uma grande questão Escrever é um brioso acto Qu´ anda sempre de mão em mão.
Não s´ escreve, porque não s´ escreve… Se s´ escreve, é um descalabro... Porém quem não deve não teme Ser ou não ser um literato. 
Ninguém nasceu para escrever Mas teve de aprender a lição, Ser um literato e crescer Eis mesmo uma grande questão. 
Agir e comunicar é firme Com palavras de bom trato P´ ra solidão ser mais sublime Escrever é um brioso acto.
Fazer escrita não é fantasia, Da história é a consagração, E se é paixão torna-se ousadia  Qu´ anda sempre de mão em mão.
Voam palavras em toda a parte E nunca é justo o denegrir: Qu´ o literato goze a sua arte Quem não o é que possa fruir.
Na prosa, na poesia ou drama Ninguém é grande nem pequeno Quem escreve, a arte reclama E contestá-lo é um puro veneno! 
Frassino Machado RODA-VIVA POESIA
www.frassinomachado.net

"O Poema: Céu-Mar" | Ró Mar

"O Poema: Céu-Mar"
Poeta do meu coração Espero sempre o teu poema,  Minha alma é solidão No teu tempo vão.
O meu tempo não importa, O que importa no momento É saber que nesta porta Só entra o teu pensamento.
Escreve-o de coração No dedilhar da tua pena A clave de nós só tem uma tradução Amor e poesia plena.
Menina dos olhos doces Porque escondes teu olhar? Olho-te como se fosses Uma rosa de suave tocar.
Nem eu sei bem… Mas, não ouso tais sentimentos, Quedo-me nos pensamentos Que sei que te vão bem.
Se me quiseres olhar Com teu olhar de menina Eu me hei-de apaixonar Pelos teus olhos, Rosa minha.
O carinho das tuas silabas Guardo pelo meu castanho olhar, Que dos teus versos se fez azul mar, Quiçá, um dia o sigas.
Teus versos são como estrelas Que brilham no meu olhar, E, entre as estrelas mais belas É a ti que eu hei-de amar.
O poema que nasceu do nada É agora o céu-mar… Que abraça o eterno poetar, Meu Poeta, sou a tua amada.
© Ró Mar
http://ro-mar-poesia.blogspot.com