Avançar para o conteúdo principal

"AI, Ó SONETO, SONETO" | Frassino Machado


"AI, Ó SONETO, SONETO" 


Há mais Soneto pra além dos catorze versos
E mais Poesia pra além do que é soneto
Só não entende quem faz do poema panfleto
Ou usa das palavras com sentires perversos…

As palavras são projectadas do alfabeto,
Os poemas, quais artefactos mui diversos, 
Fazem qu´ os poetas sejam sempre controversos
Levando, de per si, a cada alma o seu aspecto.

Catorze versos – há que desmistificar o mito – 
Menos ou mais, ele será sempre original
E a poesia, que na estética, é visceral
Jamais há-de perder seu leme e gabarito.

Ai, ó soneto, Soneto, onde está o teu «graal»
Quem faz, por justa causa, dar corpo ao conflito?
Onde está a inspiração, no jeito ou no rito,
Que desvenda a tua imagem consensual?

Ai, ó soneto, Soneto, não caias em teu ocaso
E vai morar co´ as Musas no real Parnaso!

Frassino Machado, AS MINHAS ANDANÇAS

Comentários

UNO LITERÁRIO

"UM PIANO NA MINHA RUA..." | Fernando Pessoa

"UM PIANO NA MINHA RUA..." Um piano na minha rua… Crianças a brincar… O sol de domingo e a sua... Alegria a doirar…
A mágoa que me convida A amar todo o indefinido… Eu tive pouco na vida Mas dói-me tê-lo perdido.
Mas já a vida vai alta Em muitas mudanças! Um piano que me falta E eu não ser as crianças!
Fernando Pessoa, Poesias