Avançar para o conteúdo principal

"OS CAMINHOS DA POESIA" – Frassino Machado

"OS CAMINHOS DA POESIA" – Frassino Machado

«Lembrando Jorge de Sena»

Num mundo cheio de trevas e de vã petulância,
De alma vazia e sem um esteio de valores,
Brota a luz da Poesia, a mais bela das flores,
Que espalha à sua volta o calor e a fragrância.

Poesia sem tempo, caminhando na distância,
E procurando um horizonte de alvores
Pela distinta essência dos elos condutores
Que recriam uma arte de paz e tolerância. 

São longos e sinuosos, todos os caminhos,
Que à nobre Poesia compete percorrer,
Por entre mil obstáculos que urge abater
Arando a terra e retirando-lhe´ os espinhos. 

Há pedras mais que muitas, em destino incerto,
Há densos nevoeiros, frios e impenetráveis,
Há desérticos trilhos, duros e insondáveis
E há abutres e chacais, por vezes a céu aberto…

Os caminhos da Poesia tornam-se aventura
À imagem da diáspora do vate Jorge de Sena,
E todo o poeta, tendo como arma a sua pena,
Escreverá na água: tanto dá qu´ até que fura! 

Frassino Machado, JANELAS DA ALMA

Comentários

UNO LITERÁRIO

"UM PIANO NA MINHA RUA..." | Fernando Pessoa

"UM PIANO NA MINHA RUA..." Um piano na minha rua… Crianças a brincar… O sol de domingo e a sua... Alegria a doirar…
A mágoa que me convida A amar todo o indefinido… Eu tive pouco na vida Mas dói-me tê-lo perdido.
Mas já a vida vai alta Em muitas mudanças! Um piano que me falta E eu não ser as crianças!
Fernando Pessoa, Poesias